terça-feira, 31 de dezembro de 2013

FELIZ ANO NOVO

Feliz Ano Novo
feliz2014O ano está acabando, e talvez você esteja dizendo “ Graças a Deus, já vai tarde, não vejo a hora deste ano acabar e começar outro!”
Por isso se você acha que  esse ano não foi tão bom assim para você, vou provar agora que você tem pelo menos 10 motivos para CELEBRAR e agradecer.
Pare agora  e pense nos presentes que você recebeu nesses 365 dias:
  1.  Todos os dias me foram dados, cada dia cheio de novas possibilidades
  2.  Todos os dias tive a oportunidade de maravilhar-me apenas olhando para a Criação
  3.  Todos os  dias fui (e sou) amada por um Deus que é misericordioso e cuida de mim
  4.  Todos os dias recebi  livramentos que mantiveram-me protegida
  5.  Todos os dias fui agraciada com saúde e disposição
  6.  Todos os dias tive (e tenho) ao meu lado a minha família
  7.  Todos os dias tive (e tenho) amigos que estão sempre por perto quando preciso
  8.  Todos os dias vivi muitos momentos de alegria, contentamento, satisfação
  9.  Todos os dias enfrentei  desafios no meu trabalho e na vida  que me tornaram melhor
  10.  Todos os  dias recebi a provisão necessária e até além do que precisei
Peço a Deus que eu receba novamente, MAIS 365 dias e que se vier no pacote de 2014 , pelo menos, os 10 presentes que obtive em 2013 já sei que 2014 será um GRANDE ANO.
No entanto se você desejar que o próximo ano seja EXCEPCIONAL, MEGA BLASTER, e TUDO DE BOM, enumere pelo menos mais 10 situações  em que caberá a VOCÊ construir o seu Presente!
Afinal um Novo Ano, é uma NOVA chance de fazer as coisas de outro jeito, de fazer diferente e  muito melhor.
Comente as suas Resoluções de Ano Novo.
Feliz Ano Novo !

sábado, 21 de dezembro de 2013

CRIANÇAS MIMADAS GERAM ADULTOS FRACASSADOS

Você tem alunos que ” se acham a última bolacha do pacote? ” . E colegas de trabalho dentro da Escola que se acham o ” suprassumo” e que portanto não admitem serem cobrados, orientados ou advertidos, pois sabem demais ?

Recentemente a Revista Época publicou um artigo intitulado ” Por que a Educação moderna criou adultos que se comportam como bebês”, o qual reproduzimos abaixo.
====================================================================
Os alunos do 3º ano de uma das melhores escolas de ensino médio dos Estados Unidos, a Wellesley High School, em Massachusetts, estavam reunidos, numa tarde ensolarada no mês passado, para o momento mais especial de sua vida escolar, a formatura. Com seus chapéus e becas coloridos e pais orgulhosos na plateia, todos se preparavam para ouvir o discurso do professor de inglês David McCullough Jr. Esperavam, como sempre nessas ocasiões, uma ode a seus feitos acadêmicos, esportivos e sociais. O que ouviram do professor, porém, pode ser resumido em quatro palavras: vocês não são especiais. Elas foram repetidas nove vezes em 13 minutos. “Ao contrário do que seus troféus de futebol e seus boletins sugerem, vocês não são especiais”, disse McCullough logo no começo. “Adultos ocupados mimam vocês, os beijam, os confortam, os ensinam, os treinam, os ouvem, os aconselham, os encorajam, os consolam e os encorajam de novo. (…) Assistimos a todos os seus jogos, seus recitais, suas feiras de ciências. Sorrimos quando vocês entram na sala e nos deliciamos a cada tweet seus. Mas não tenham a ideia errada de que vocês são especiais. Porque vocês não são.” 
O que aconteceu nos dias seguintes deixou McCullough atônito. Ao chegar para trabalhar na segunda-feira, notou que havia o dobro da quantidade de e-mails que costumava receber em sua caixa postal. Paravam na rua para cumprimentá-lo. Seu telefone não parava de tocar. Dezenas de repórteres de jornais, revistas, TV e rádio queriam entrevistá-lo. Todos queriam saber mais sobre o professor que teve a coragem de esclarecer que seus alunos não eram o centro do universo. Sem querer, ele tocara num tema que a sociedade estava louca para discutir – mas não tinha coragem. Menos de uma semana depois, McCullough fez a primeira aparição na TV. Teve de explicar que não menosprezava seus jovens alunos, mas julgava necessário alertá-los. “Em 26 anos ensinando adolescentes, pude ver como eles crescem cercados por adultos que os tratam como preciosidades”, disse ele a ÉPOCA. “Mas, para se dar bem daqui para a frente, eles precisam saber que agora estão todos na mesma linha, que nenhum é mais importante que o outro.”
A reação ao discurso do professor McCullough pode parecer apenas mais um desses fenômenos de histeria americanos. Mas a verdade é que ele tocou numa questão que incomoda pais, educadores e empresas no mundo inteiro – a existência de adolescentes e jovens adultos que têm uma percepção totalmente irrealista de si mesmos e de seus talentos. Esses jovens cresceram ouvindo de seus pais e professores que tudo o que faziam era especial e desenvolveram uma autoestima tão exagerada que não conseguem lidar com as frustrações do mundo real. “Muitos pais modernos expressam amor por seus filhos tratando-os como se eles fossem da realeza”, afirma Keith Campbell, psicólogo da Universidade da Geórgia e coautor do livro Narcisism epidemic (Epidemia narcisista), de 2009, sem tradução para o português. “Eles precisam entender que seus filhos são especiais para eles, não para o resto do mundo.”
Em português, inglês ou chinês, esses filhos incensados desde o berço formam a turma do “eu me acho”. Porque se acham mesmo. Eles se acham os melhores alunos (se tiram uma nota ruim, é o professor que não os entende). Eles se acham os mais competentes no trabalho (se recebem críticas, é porque o chefe tem inveja do frescor de seu talento). Eles se acham merecedores de constantes elogios e rápido reconhecimento (se não são promovidos em pouco tempo, a empresa foi injusta em não reconhecer seu valor). Você conhece alguém assim em seu trabalho ou em sua turma de amigos? Boa parte deles, no Brasil e no resto do mundo, foi bem-educada, teve acesso aos melhores colégios, fala outras línguas e, claro, é ligada em tecnologia e competente em seu uso. São bons, é fato. Mas se acham mais do que ótimos.
CAMILA GUIMARÃES E LUIZA KARAM, COM ISABELLA AYUB  – Revista Época
===============================================================
Você concorda que é a Educação moderna que está fazendo com que os jovens se tornem adultos imaturos ? Como você enquanto Educador pode contribuir para evitar que isto aconteça ? Quais ações você desenvolveria na sua sala de aula no relacionamento com seus alunos e quais sugestões você daria aos Pais para promover o amadurecimento dos filhos ?
REPRODUÇÃO DOS CRÉDITOS DA SOS PROFESSOR...

RECUPERAÇÃO ESCOLAR...A CULPA É DE QUEM?




Todo ano é a mesma coisa: alunos brincam, não se dedicam, tratam com descaso os trabalhos a serem apresentados, não estudam e não realizam as tarefas, e então o óbvio acontece:  Reprovação ou então vários alunos de recuperação ! 
Você tem alunos nesta situação? Com certeza deve ter, e muitos. Geralmente no Fundamental II e Ensino Médio o índice de alunos que ficam de recuperação é muito alto. Isso porque, esses alunos praticamente não  recebem acompanhamento da família a respeito da rotina escolar, assim esses jovens ficam a mercê de si mesmos, afinal já são crescidos e a família acredita que não precisam mais serem supervisionados da mesma forma quando estavam no Fundamental I. 
Mas, será que isso é verdade ? Sei que, de tanto os Pais repetirem essa  falácia acabaram acreditando nela e por esta razão quando o filho reprova ou fica de recuperação, a atitude mais óbvia desses Pais  é exigir explicações. De quem? do Professor !

POR QUE MEU FILHO FICOU DE RECUPERAÇÃO ? 
Os Pais sempre acham que foi o Professor que “ deixou” o aluno de recuperação. Nunca param para refletir que, quando os filhos são deixados a mercê de si próprios eles adotam outras prioridades que não são as mesmas dos Pais.  
Como não quero deixar você sem argumentos, aqui estão algumas sugestões que os Pais merecem ouvir quando pedirem explicações do porque o filho está de RECUPERAÇÃO:

. Quem arruma o material escolar do João e garante que ele não esqueça de nada?
. Quem  supervisiona o João quando há trabalhos e tarefas para   entregar?
. Quantas horas por dia o João fica no Facebook ? Skype ? Whatssap? etc
. O João tem rotina diária de Estudos? Quem supervisiona  e acompanha ?
. Quando o João está em período de provas quem organiza a rotina de estudos dele?
. A Sra. sabe quantos trabalhos  o João   não entregou?
. Quais são as tarefas/responsabilidades do João durante o dia?

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

O PAPEL DO LÍDER (EQUIPE DE LIDERANÇA)

A Educação do século XXI está em processo de grandes mudanças priorizando a cooperação, a interação e integração entre alunos/professores/coordenação/direção/pessoal do apoio. 
O laboratório Bristol-Myers Squibb desenvolveu há cinco anos, na matriz americana, o programa Leadership Team Bulding.
A filosofia do Bristol é que todos podem ser líderes[Lidere1.gif]
Segundo o Bristol, um líder:
[Lidere2.gif]
1 – Age com senso de urgência. Estabelece grande expectativa de performance e dá suporte para que todos atinjam os resultados esperados.
[Lidere3.gif]
2 – Considera todos os envolvidos na hora de tomar decisões e em suas ações.
[Lidere4.gif]
3 – Encoraja a colaboração e toma decisões que são melhores para o todo ao invés do focar somente o indivíduo.
[Lidere5.gif]
4 – Cria novas ideias e processos incentivando o grupo a tentar novos caminhos e a assumir riscos.
[Lidere6.gif]
5 – Abraça as mudanças.
[Lidere7.gif]
6 – É pró-ativo em prover oportunidades de desenvolvimento para outros. Dá constante feedback.
[Lidere8.gif]
7 – Compartilha seu ponto de vista e opiniões mesmo quando essas possam ser negativas e impopulares. Encoraja a livre troca de informações e opiniões.
[Lidere9.gif]
8– Está sempre pronto a solicitar ajuda e a ajudar os outros.
[Lidere10.gif]
9 – Respeita opiniões e demonstra sensibilidade às diferenças.
[Lidere11.gif]
10 – Concentra energia no que pode pessoalmente fazer em vez de responsabilizar outros pelas falhas. Não age como vítima
[Lidere12.gif]
11 – Aceita as contribuições que outros dão e as reconhece. Dá créditos às pessoas e às equipes.
 
[Lidere13.gif]
12 – Possui atitude de vencedor. Alimenta a paixão por vencer.
[Lidere14.gif]
13 – Age com ética, respeita os princípios, os valores e os comportamentos.
[Lidere15.gif]
14 – Cria um ambiente de confiança, harmonia e aprendizado.
Fonte: Você S. A

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

OS SETE PECADOS QUE COMPROMETEM O SUCESSO DE UMA EQUIPE

Com uma brincadeira bem humorada se pode enfocar quais os sete pecados capitais que podem comprometer o sucesso do trabalho em equipe.
OS SETE PECADOS CAPITAIS DAS EQUIPES[7PecadosEquipe1.gif]
1º PECADO
 “Espelho, espelho meu, existe alguém mais genial do que eu?” Ocorre quando alguém se acha estrela do time.[7PecadosEquipe2.gif]
2º PECADO
 “Guerra das Estrelas”. O que não falta nesse time são estrelas.[7PecadosEquipe3.gif]
3º PECADO
 “Os Três Mosqueteiros”. Versão reduzida em vez do famoso um por todos, todos por um, nesse grupo só acontece o todos por um. O líder só está interessado nos próprios objetivos.[7PecadosEquipe4.gif]
4º PECADO
 “Síndrome do Pinóquio”: Alguém mais acredita no que o líder fala? Ele(a) perdeu completamente a credibilidade.[7PecadosEquipe5.gif]
5º PECADO
 “Os Cavaleiros da Idade Média”. No passado, 
eles usavam armaduras por razões de segurança. Numa equipe, esse líder é o líder que se protege tanto a ponto de se tornar inatingível.
[7PecadosEquipe6.gif]
6º PECADO
 “Os Adeptos de Noé” não é comigo: vale para líderes e membros de equipe que não assumem responsabilidades.[7PecadosEquipe7.gif]
7º PECADO
– “Missão Impossível:” É típico das equipes que não acreditam que podem atingir os objetivos
Fonte: Você S. A

domingo, 13 de outubro de 2013

PARABÉNS, PROFESSORES!!!!!

Anjos da Guarda Leci Brandão
Professores
Protetores... das crianças do meu país
Eu queria, gostaria
De um discurso bem mais feliz
Porque tudo é educação
É matéria de todo o tempo
2x Ensinem a quem sabe de tudo
A entregar o conhecimento
2x Na sala de aula
É que se forma um cidadão
Na sala de aula
Que se muda uma nação
Na sala de aula
Não há idade, nem cor
Por isso aceite e respeite
O meu professor
2x Batam palmas pra ele
Batam palmas pra ele
Batam palmas pra ele que ele merece!
Professores
Protetores... das crianças do meu país
Como eu queria, gostaria
De um discurso bem mais feliz
Porque tudo é educação
É matéria de todo o tempo
Ensinem a quem sabe de tudo
A entregar o conhecimento
2x Na sala de aula
É que se forma um cidadão
Na sala de aula
Que se muda uma nação
Na sala de aula
Não há idade, nem cor
Por isso aceite e respeite
O meu professor
Batam palmas pra ele
Batam palmas pra ele
Batam palmas pra ele que ele merece!

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Empurre a Vaquinha

O Lenhador e a Raposa

O Pai Nunca Desiste do Filho

ACOMPANHAMENTO ESCOLAR

Relacionamento familiar Reflexão

Pais sem tempo - Reflexão

Ser professor, uma reflexão cantante

Princípios e orientações pedagógicas-educação física

quinta-feira, 25 de julho de 2013

GERENCIAMENTO DE SALA II-POR ROSELY BRITO

Olá INÁCIA FERREIRA PEREIRA No nosso email anterior, falei sobre 11 regras que contribuem para ajudar no gerenciamento da sua sala de aula. Aqui vai o detalhamento da Regra no. 2.
REGRA NO. 02: Seja Consistente em tudo que disser ou fizer
Esperamos que os outros sejam sempre íntegros e consistentes em suas ações para conosco. Os seus alunos e Pais também esperam isso de você.
Voltar atrás à palavra dada, descumprir uma regra, não honrar o que foi combinado ou prometido são faltas gravíssimas. O Professor estará modelando o caráter dos alunos por meio do exemplo do seu próprio caráter.
Por isso, cuidado com o seu modo de falar, talvez você mesmo esteja incitando que os alunos apresentem um linguajar grosseiro, irônico e até desrespeitoso.
Cuidado redobrado com os comentários que você faz pelos corredores e mesmo dentro da sala de aula. É triste constatar que professores quando encontram outro colega comecem a fazer comentários nada agradáveis a respeito do Governo, do tempo, do trabalho, dos alunos e até mesmo dos Pais.
Ao fazer tais comentários estão revelando que não são confiáveis e dignos e o mais grave de tudo: perdem o respeito de quem está ouvindo.
Por isso, não importa se você é Professor do Ensino Infantil ou do Ensino Médio: seja íntegro nas suas ações e no seu linguajar, tenha sempre atitudes irrepreensíveis.
Crie as regras na sua sala de aula e cumpra-as. Jamais favoreça esse ou aquele aluno, jamais tome partido, procure ser justa , nunca use de retaliações, seja consistente sempre.
Quer compartilhar os nossos textos e dicas com os seus amigos Educadores? ou na Reunião Pedagógica com os Professores? Fique à vontade !
Nossa meta é ajudar 50.000 Professores neste ano, por isso peça para eles fazerem o cadastro no site www.sosprofessor.com.br para receber o mini curso de Gerenciamento da Sala de Aula.
Aguarde que vem mais dicas por aí !!!
Abraços,
Roseli Brito Pedagoga - Psicopedagoga - Neuroeducadora e Coach

quarta-feira, 10 de julho de 2013

GERENCIAMENTO DE SALA- POR ROSELI BRITO

E-mail recebido em 07/07/13 Olá INÁCIA FERREIRA
Para que o gerenciamento da sala de aula seja o mais simples possível, sempre procuro enviar dicas rápidas, práticas e fáceis de implementar.
Aqui vão 11 passos que ajudarão na organização da sala de aula:
01. Crie, por escrito, os objetivos e expectativas que você tem para a turma,
02. Seja consistente em tudo que disser ou fizer,
03. Seja paciente com você mesma e principalmente com os alunos,
04. Transforme os Pais em seus aliados. Comunique-se mais com eles,
05. Evite falar demais e se alongar nas explicações,
06. Organize o tempo da aula em três blocos diferentes de atividades,
07. Comece e termine a aula dentro do tempo estabelecido, não `enrole `,
08. Tenha atividades planejadas para manter TODOS os alunos ocupados,
09. Discipline e corrija individualmente, jamais faça isso em público,
10. Mantenha sempre a perspectiva e o bom humor para cada situação
11. Saiba quando pedir ajuda
Nos próximos emails detalharei cada um dos 11 passos.
Enquanto isso reveja se você já está usando alguns dos itens acima no seu dia-a-dia.
Abraços,
Roseli Brito
Pedagoga - Psicopedagoga - Neuroeducadora e Coach
=============================================================
Se você conhece Educadores que estão sofrendo com a indisciplina dos alunos , indique o curso " Gerenciamento da Sala de Aula " . Nossa meta, neste ano, é ajudar 50.000 Educadores a transformar a sala de aula. Inscrição: http://www.sosprofessor.com.br

sábado, 23 de março de 2013

Educação e limites: uma relação de amor e paciência

A tarefa é difícil e cheia de culpa, mas faz parte do aprendizado Por Teresa Ruas
Quem não se lembra de um olhar enérgico dos pais diante de situações cotidianas, de momentos de castigo e das conversas de reconciliação afetiva com os pais? Com certeza levaremos estas lembranças para sempre, mas também podemos utilizá-las a nosso favor, em vários momentos na educação dos nossos filhos.
Dizer que as crianças não se sentem frustradas, tristes, ressentidas ou irritadas diante de um limite e/ou um castigo imposto pelos pais não é verdade. Dizer que os nossos corações de pais não ficam apertados diante de um choro sofrido e/ou de uma situação de distanciamento afetivo com um filho ao receber uma ordem é mentira. Para ambos os lados, essa relação entre a educação e limites é muito difícil. Sem falar do sentimento de “culpa” que todos os pais carregam ao perceberem que passam mais tempo tentando impor regras, normas e limites do que momentos livres e prazerosos com os filhos. Porém, sabemos o quanto esta relação é necessária e importante para que as crianças cresçam fortalecidas emocionalmente diante dos vários “nãos” que a própria vida proporcionará.
Impor um número imenso de castigos sem o entendimento real da causa, em contrapartida, não é o tipo de atitude parental que facilita a educação. Muito pelo contrário! Esta relação gera medo e distanciamento afetivo entre as crianças e os pais, o que resulta em um comportamento de obediência e aceitação, mas não necessariamente de aprendizado para os pequenos.
Repetir e falar ininterruptamente a ordem solicitada e frases como “não pode”, “já falei que não pode”, “já te avisei” são atitudes que trazem poucos resultados positivos de obediência e aceitação. Um conselho de especialista: seja menos prolixo nas explicações. Simplesmente vá até o lado do seu filho e, olhando diretamente nos olhos dele, diga por que determinada ação/reação não é aceitável por você.
Outra dica é não voltar atrás do combinado. Diante da minha (pouca) experiência de maternagem, tenho a convicção de que a paciência é a grande virtude nestes momentos. Difícil? Extremamente, confesso! O que me acalma é pensar que todos os pais, e em todas as gerações, passaram pelas mesmas experiências. E em todas elas, o bom senso e o amor foram os componentes mais importantes e fortalecedores dessas relações humanas.
crédito: Teresa Ruas é terapeuta ocupacional especializada em desenvolvimento infantil