sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

CURVA DO ESQUECIMENTO II



Estudos científicos sobre aprendizagem, concluíram que o maior motivo pelo qual um estudante costuma esquecer grande parte das informações que aprende, não se deve a qualidade inicial da memorização da informação pelo estudante e sim a essa maldita maravilhosa dádiva da natureza conhecida como: A curva do esquecimento.

A curva do esquecimento é o método natural através do qual o seu cérebro descarta as informações que você aparentemente não precisa mais.  Como, por exemplo: O que comeu no seu café da manha de 15 dias atrás? Como estava o tempo na terça feira passada? O que a sua mãe ou a sua esposa pediram para você fazer a 5 minutos?

Coisas assim, sem a menor importância ou que não despertam especial emoção ou interesse, são naturalmente descartadas pelo seu cérebro.  Aliás, esse comportamento do cérebro não deixa de ser realmente uma dádiva, pois graças a ele, seu cérebro é capaz de descartar coisas realmente inúteis e que você não vai precisar lembrar nunca mais e que ocupariam um espaço valioso em seu "HD".

O problema começa quando seu cérebro começa a descartar e jogar fora a matéria que você aprendeu na sala de aula. Huuuuuummmm... isso realmente gera emoções fortes a respeito desse boçal incrivelmente genial cérebro humano.

Vamos ver como funciona a curva do esquecimento através de uma pesquisa cientifica sobre o assunto:

Grupo de Estudo: Um grupo de estudantes que não sabia praticamente nada sobre um determinado assunto assistiu uma aula durante 1 hora.

Inicio da Curva do esquecimento: Por não saberem nada sobre o assunto todos os estudantes iniciam no ponto zero da curva. Ou seja, ninguém sabe nada.

Fim da Aula: No fim da aula a curva chega ao seu ponto máximo e o aluno sabe 100% do que foi ensinado (ao menos do que foi capaz de aprender)

Dia seguinte: 24 horas após a aula, os alunos (sem terem realizado qualquer revisão mental ou prática da informação) esquecerão de 50 a 80% do que estudaram

30 dias: Após 30 dias, o estudante (sem revisão) terá esquecido de 97 a 98% de tudo que aprendeu naquela aula.

Resultado: Após 30 dias o estudante esqueceu tanto daquela aula que a sensação que tem é a de que nunca estudou sobre o assunto. Outra coisa interessante é notar que nas primeiras 24 horas se esquece mais do assunto do que nos 29 dias seguintes. As primeiras 24 horas são críticas!
Note que isso é o resultado de uma pesquisa cientifica com estudantes reais e normais, iguaizinhos a você. O resultado é Incrível, não acha?

Então, provavelmente você deve estar se sentindo frustrado com essa informação ou pode estar se sentindo também aliviado porque agora possui uma desculpa científica para seus brancos de memória!

Mas não se apresse, pois na verdade você não terá que se sentir frustrado e nem terá desculpa nenhuma para seus brancos de memória depois que ler a solução para esse problema, que é: REVISÃO INTELIGENTE PARA NÃO ESQUECER NUNCA MAIS.

CURVA DO ESQUECIMENTO

Desenvolvido por um psicólogo alemão chamado Herman Ebbinghaus em 1885, a curva do esquecimento(Forgeting Curve) ilustra a capacidade do nosso cérebro em armazenar uma informação recém adquirida. Ebbinghaus  conseguiu através de várias experiências, mensurar o efeito do tempo na memória. Verifique o gráfico:


O ponto “A” ocorre quando você reteve toda a informação acerca de um determinado assunto, no final de uma aula por exemplo. Agora, perceba que, com o passar do tempo, aquela informação que você reteve vai se perdendo rapidamente: No ponto “B”, passados apenas dois dias, se você não fizer revisão alguma, estará sabendo apenas cerca de 30% da aula.  A o final do sexto dia, restarão menos de 5% da informação original.
A curva do esquecimento nos alerta para algo que, por vezes, negligenciamos: O poder da revisão. Verifique agora  o ponto “C”, ele representa a primeira revisão da aula e a linha verde demonstra uma nova curva do esquecimento. Observe que a informação fica retida por um tempo bem maior: se em dois dias você perde 70% da aula que aprendeu,  caso se faça uma revisão do assunto, o intervalo de tempo passa a ser de 5 dias para se chegar ao mesmo patamar. O ponto “D” representa uma segunda revisão e o “E” uma terceira revisão (perceba que neste estágio, o tempo quase não influencia na  perda da informação!).
A revisão é algo que será mais bem explicado  em um próximo tópico. Mas, como regra geral, tente fazer pelo menos as revisões conforme o cronograma:
D : Dia da Aula.
D + 1: Primeira revisão.
D+ 4: Segunda revisão.
D+15:Terceira revisão.
Use a curva do esquecimento ao seu favor. Faça a primeira e a segunda revisão em um espaço de tempo mais curto e daí passe a aumentar o intervalo progressivamente. Dessa forma você conseguirá reter uma maior quantidade de informações gastando menos tempo.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

A importância dos limites para a formação da criança



A mãe ficou envergonhada quando o filho gritou no shopping center por um brinquedo que ela disse: não! O pai reclama que o filho adolescente volta tarde para casa e não se importa com nada. Os brinquedos nunca são guardados após a criança brincar, “obrigando” a mãe a deixar tudo em ordem. Os pais são chamados na escola devido à indisciplina do filho. Essas são apenas algumas das queixas dos pais sobre a falta de limites dos filhos.Colocar limites, ou disciplina é a arte de ensinar os comportamentos apropriados às crianças. Não é uma tarefa fácil, porém é possível. Mas o que aconteceu durante as últimas décadas para as avós falarem: “no meu tempo era tudo diferente”?O mundo realmente mudou. Com a ida da mulher ao mercado de trabalho a dinâmica familiar sofreu modificações significativas. Exigências do mundo atual obrigam os pais a trabalharem cada vez mais para garantir o bem estar dos filhos. No entanto, a ausência  provoca em muitos o sentimento de culpa. Na tentativa de compensar as exaustivas horas de trabalho, os pais não conseguem dizer “não” aos seus filhos, permitindo-lhes que façam tudo o que quiserem.O resultado desse processo é a perda de autoridade dos pais e a falta de limites dos filhos. Os limites são importantes na vida da criança, pois eles funcionam como uma rede de segurança. As relações humanas são permeadas de regras de convivência em grupo. Seja na família, no trabalho e nas situações sociais sempre existem “normas” que asseguram os direito e deveres de todos.A criança que não possui uma disciplina regular dentro de casa, além de provocar a impaciência nos pais, também terá dificuldades em seguir regras em outros contextos. Por exemplo, a necessidade em se manter sempre no domínio das situações pode gerar dificuldades importantes para a criança se inserir no grupo de amigos. Como ela vai conseguir dividir situações com os amigos se não seguir, por exemplo, as regras de um jogo? No futuro, quando adulta, como poderá ser bem sucedida se não conseguir minimamente respeitar as normas de uma empresa? Qual será a qualidade das relações afetivas de uma pessoa que não consegue manter relacionamentos duradouros porque não aceita as demandas do outro e do mundo?Enfim, quem não respeita regras pode acabar sendo “punido” com a não aceitação dos outros. Assim, a principal conseqüência da falta de limites desde a infância é a dificuldade em construir vínculos duradouros e estáveis, o que poderia favorecer o isolamento e a baixa auto-estima.Durante a nossa vida, recebemos muitos “nãos” como resposta a algo que queremos. O brinquedo que nossos pais NÃO puderam nos dar, o namorado (a) que NÃO quis dar continuidade no relacionamento, o emprego que NÃO conseguimos conquistar.Ensinar regras para a criança leva tempo e exige a compreensão dos pais. Observar e diferenciar birras de reais necessidades da criança favorece a segurança na relação não somente com seus pais, mas na construção dos vínculos com a sociedade. É muito importante ser explícito com o filho, mostrando-lhe exatamente o que se espera dele, o que pode e o que não pode ser feito, e quais serão as conseqüências de suas atitudes. No entanto, vale sempre lembrar que violência e punições severas prejudicam o desenvolvimento da criança.Concluindo, limite é antes de mais nada um fator fundamental para a formação da saúde mental da criança e do futuro adulto.
(Crédito: Clínica Pemanente)
CRP/SP: 3605/J
Rua João da Cruz Melão, 443 - Morumbi - São Paulo/SP (mapa)
© 2014. Clínica Plenamente.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

10 IDEIAS PARA VOCÊ PARTICIPAR DA VIDA ESCOLAR DOS SEUS FILHOS

1- Não deixe que faltem às aulas sem necessidade. Faltas dificultam a aprendizagem.

2- Garanta que cheguem à escola na hora certa.



3- Compareça às reuniões de pais e mestres. Se não puder, chame alguém que goste deles para ir no seu lugar.
















4- Vá a escola e apresente-se aos professores deles.














5- Pergunte o que aprenderam de novo no colégio e mostre interesse.



















6- Peça que lhe ensine algo. Isso ajuda a aprender o conteúdo.


7- Valorize o esforço deles. Olhe a lição de casa e mostre interesse pelos trabalhos.













8- Leia sempre. É bom para você e excelente para que sigam seu exemplo.

 


9- Estimule atividades que usem a leitura: jogos, receitas, mapas.















10- Brinque de palavras cruzadas, caça palavras, forca, adedonha e outros jogos que envolvam a escrita. 

LEMBRE-SE: